Crítica, mitigação e planejamento: análise da PNMU/2012

Matheus do Amaral Moraes, Márcia de Andrade Pereira Bernardinis

Resumo


A análise teórica estabelece subsídios aos conceitos de sustentabilidade urbana, mobilidade urbana sustentável e mobilidade ativa através das dimensões ambiental, social e econômica que compõe o ideário do desenvolvimento sustentável. Criticar, mitigar e planejar são colocados como fases intrínsecas à superação do ordenamento urbano tradicional rodoviarista, paradigma adaptado pelo modernismo que tem no carro o símbolo de progresso que norteia a estruturação da cidade. A análise crítica deste modelo permite o reconhecimento dos impactos e desenvolvimento de ações mitigatórias direcionadas pelos conceitos abordados. À luz da mobilidade ativa, se estabelece o nível de ambiência e qualidade de vida na escala de apropriação e integração humana, que representa o imaginário da recuperação ambiental, equidade social e eficiência econômica. O tema, decorrente da reflexão referida, é observado como constituinte na formulação da Política Nacional de Mobilidade Urbana no Brasil. A justaposição empírica dos seus fundamentos permite reconhecer unidades de impacto e mitigação, além de investigar a adoção de medidas qualificáveis em confrontação ao modelo que direciona o andamento da PNMU no país. Deste quadro, se observa a tratativa deficiente de temas qualificáveis ao uso, permanência e atração de usuários ativos. Nota-se, por fim, que o encaminhamento das políticas urbanas do país herda muito da orientação tradicional do século XX, o que determina a qualidade do rumo das ações a nível municipal. O esforço teórico e conceitual limitado se depara, ainda, com modelo estrutural que institucionaliza e minimiza o engajamento local.

Palavras-chave


Planejamento urbano tradicional; Mobilidade urbana sustentável; Mobilidade ativa; PNMU/2012

Texto completo:

PDF

Referências


Agência IBGE Notícias. IBGE divulga as estimativas da população dos municípios para 2019. 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2020.

BARBOSA, Verônica Vaz Oliveira. Avaliação da caminhabilidade no entorno de estações da linha 1 do metrô de Salvador. 2016. 141 f. Dissertação (Mestrado) – Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

BARCZAK, Rafael; DUARTE, Fábio. Impactos ambientais da mobilidade urbana: cinco categorias de medidas mitigadoras. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 4, n. 1, p.13-32, 2012.

BRASIL. Medida Provisória nº 906, de 19 de novembro de 2019. Altera a Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012, que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Brasília, 19 nov. 2019.

BRASIL. Programa de Apoio à Elaboração de Planos de Mobilidade urbana: manual de apoio a municípios até 100 mil habitantes. Brasília: Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana, 2017. 24 p.

BRASIL. PlanMob - Caderno de Referência para elaboração de Plano de Mobilidade Urbana. Brasília: Ministério das Cidades, SeMob – Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana, 2015. 238 p.

BRASIL. Política Nacional de Mobilidade Urbana - Cartilha da Lei nº 12.587/2012. Brasília: Ministério das Cidades, 2013. 37 p.

BRASIL. Lei nº 12.587 de 03 de janeiro de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana; revoga dispositivos dos Decretos-Leis nºs 3.326, de 3 de junho de 1941, e 5.405, de 13 de abril de 1943, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e das Leis nºs 5.917, de 10 de setembro de 1973, e 6.261, de 14 de novembro de 1975; e dá outras providências. Brasília, 03 jan. 2012.

CORIOLANO, Germana Pires; RODRIGUES, Waldecy; OLIVEIRA, Adão Francisco de. Estatuto da Cidade e seus instrumentos de combate às desigualdades socioterritoriais: o Plano Diretor Participativo de Palmas (TO). urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v.5, n.2, p.131-145, 2013.

COSTA, M. S. Um índice de Mobilidade Urbana Sustentável. Tese (Doutorado). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. São Carlos. 2008.

CRUZ, Maurício Feijó; FONSECA, Francisco César Pinto da. Vetores em contradição: planejamento da mobilidade urbana, uso do solo e dinâmicas do capitalismo contemporâneo. Cadernos Metrópole, v.20, n.42, p.553-576, 2018.

DE SOUZA, Geraldo Alves. Produção do espaço e mobilidade urbana: na contramão da sustentabilidade. Revista Produção e Desenvolvimento, v.1, n.3, p. 42-51, 2015.

DOTTO, Bruna Righi; SILVA, André Souza. A representatividade da mobilidade urbana em certificações de sustentabilidade. Cidades, Comunidades e Territórios, n.38, 2019.

FELIX, Raquel; RIONDET-COSTA, Daniela; PALMA-LIMA, Josiane. Modelo de avaliação de áreas urbanas para receber projetos integrados de revitalização e mobilidade sustentável. EURE (Santiago), v.45, n.134, p.7-98, 2019.

GEHL, Jan. Cidades para pessoas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.

GHIDINI, Roberto. A caminhabilidade: medida urbana sustentável. Revista dos Transportes Públicos - ANTP, São Paulo, v.33, p.21-33, 2011.

GOMIDE, Alexandre de Ávila; GALINDO, Ernesto Pereira. A mobilidade urbana: uma agenda inconclusa ou o retorno daquilo que não foi. Estudos avançados, v.27, n.79, p.27-39, 2013.

ITDP BRASIL, Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento. Índice de Caminhabilidade Versão 2.0 – Ferramenta. 2ª. ed. Rio de Janeiro: ITDP, 2018.

ITDP BRASIL, Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento. Guia de planejamento cicloinclusivo. 1ª. ed. Rio de Janeiro: ITDP, 2017.

ITDP, Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento. Padrão de qualidade DOTS. 3ª. ed. Nova York: ITDP, 2017.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LIBARDI, Rafaela. Mobilidade urbana frente a complexidade urbana. EURE (Santiago), v. 40, n. 121, p.273-276, 2014.

LOURENÇO, Giovana Hardt; DAL BOSCO JR, Alceu; BERNARDINIS, Márcia de Andrade Pereira. Respostas à política nacional de mobilidade urbana: comparativo entre capitais dos incentivos ao transporte público e à bicicleta. TRANSPORTES, v. 27, n.2, p. 01-16, 2019.

MACHADO, Laura; PICCININI, Lívia Salomão. Os desafios para a efetividade da implementação dos planos de mobilidade urbana: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v.10, n.1, p. 72-94, 2018.

MALATESTA, Maria Ermelinda Brosch. Andar a pé: um transporte desvalorizado nos grandes centros urbanos. Revista dos Transportes Públicos – ANTP, São Paulo v. 38, p.116-123, 2016.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Levantamento sobre a situação dos Planos de Mobilidade Urbana. 2019. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2020.

MONDINI, Raviane Cristina Werner; ROSSETTO, Adriana Marques. Critérios de Avaliação para planos de Mobilidade Urbana Segundo a Lei 12.587/2012. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v.5, n.29, p. 62-76, 2017.

MOSCARELLI, Fernanda; KLEIMAN, Mauro. Os desafios do planejamento e gestão urbana integrada no Brasil: análise da experiência do Ministério das Cidades. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v.9, n.2, p. 157-171, 2017.

PADILLA, Armando Ortuño et al. El modelo TOD (Transit-oriented development): estudio de casos internacionales y proceso de implementación. Boletín de la Asociación de Geógrafos Españoles, n. 73, p. 99-121, 2017.

PIRES, Isabela Batista; MAGAGNIN, Renata Cardoso. Elaboração de índice de caminhabilidade sob a percepção de especialistas. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 6, n. 38, 2018.

RAMIS, Jacqueline Elhage; SANTOS, Emmanuel Antônio. Uso de automóveis e o caos urbano–considerações sobre o planejamento de transportes das grandes cidades. Journal of Transport Literature, v. 6, n. 4, p. 164-177, 2012.

RODRIGUES, ARP et al. Indicadores do desenho urbano e sua relação com a propensão a caminhada. Journal of Transport Literature, v. 8, n. 3, p. 62-88, 2014.

RODRIGUES, Marcos Antônio Nunes; MATOS, Cesar Henrique. Avaliação das Condições de Caminhabilidade nas Áreas Centrais de Salvador e Aracaju, Brasil. In: XV Congresso Iberoamericano de Urbanismo, Medellín. 2013.

ROSIN, Lucas Bravo; LEITE, Cristiane Kerches da Silva. A bicicleta como resistência: o paradigma rodoviarista e o papel do ativismo ciclista no município de São Paulo/SP. Cadernos Metrópole, v. 21, n. 46, p. 879-902, 2019.

RUBIM, Barbara; LEITÃO, Sérgio. de. O plano de mobilidade urbana e o futuro das cidades. Estudos avançados, v.27, n.79, p.55-66, 2013.

SABOYA, Renato T. de. Fundamentos conceituais para uma teoria do planejamento urbano baseada em decisões. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v.5, n.2, p.81-95, 2013.

SOUZA, Claudia-Virginia Cabral de; KLINK, Jeroen; DENALDI, Rosana. Planejamento reformista-progressista, instrumentos urbanísticos e a (re)produção do espaço em tempo de neoliberalização. Uma exploração a partir do caso de São Bernardo do Campo (São Paulo). EURE (Santiago), v.46, n.137, p.203-223, 2020.

SPECK, Jeff. Cidade caminhável. 1. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.

TISCHER, Vinicius. O custo social e econômico dos acidentes de trânsito com pedestres e ciclistas: estudo de caso do estado de Santa Catarina, Brasil. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 11, 2019.

WRI BRASIL. World Resources Institute. O Desenho de Cidades Seguras: Porto Alegre: WRIcidades.org, 2016. 104 p. Este relatório foi traduzido da versão original em inglês chamada “Cities safer by Design”.

VALE, David Sousa. A cidade e a bicicleta: uma leitura analítica. Finisterra-Revista Portuguesa de Geografia, n. 103, p. 45-66, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.17271/2318847285920202375



 

ISSN Eletrônico: 2318-8472    

Digital Object Identifier (DOI): 10.17271/23188472

 

Indexações:

                 


ÍNDICE H (GOOGLE SCHOLAR):

Índice h5 = 5

Índice h5 = Mediana 6


Metrics:

 

 

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.