O POTENCIAL DE BEBEDOUROS ARTIFICIAIS DE BEIJA-FLORES PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Sandra Fagionato-Ruffino, Carolline Zatta Fieker, Matheus Gonçalves dos Reis

Resumo


Este trabalho insere-se no contexto da Educação Ambiental, mais especificamente na organização e uso do espaço externo escolar no sentido de se aumentar a aproximação da criança com a natureza, de forma a estabelecerem relações cotidianas entre si. Tem como objetivo apresentar o resultado de observação e registro sistemático da visita de beija-flores e outras aves em bebedouros artificiais, analisar a viabilidade de implantação e uso destas fontes adicionais de recursos para a fauna em ambiente urbano e discutir seu potencial para a educação ambiental. A partir do acompanhamento da visitação de aves em bebedouros artificiais em quatro cidades localizadas nos estados de Minas Gerais, Paraná e São Paulo, foi possível identificar que estes podem ser recursos viáveis a serem implantados nas escolas, pois além de oferecerem uma fonte extra de recursos alimentares às aves nos ambientes urbanos, é uma forma de aproximá-las do espaço escolar propiciando às crianças e demais observadores o conhecimento de hábitos e características físicas, não um conhecimento intelectual entendendo as aves apenas como um objeto de estudo, mas sim uma integração que permita a contemplação, a admiração, além de atitudes de cuidado e respeito.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17271/19800827762011170

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN Eletrônico: 1980-0827    Digital Object Identifier (DOI): 10.17271/19800827

Indexações:

          

    

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.