Espaços Livres Públicos de Práticas Sociais no contexto das Cidades Contemporâneas

Luciana Aparecida Netto de Jesus, Larissa Leticia Andara Ramos, Mariana Moreira Menini

Resumo


Os Espaços livres públicos possuem papel fundamental na qualidade de vida urbana na medida em que garantem lazer, integração e vivência aos seus usuários, além de interferirem positivamente nos aspectos relativos à saúde física e mental, vitalidade para seu entorno, garantido a segurança e contribuindo para a constituição da esfera da vida pública. Este trabalho apresenta uma análise reflexiva dos Espaços livres públicos de práticas sociais nas cidades contemporâneas, tendo como recorte a Grande Ibes, município de Vila Velha-ES. O estudo é de natureza aplicada e abordagem quanti-qualitativa, desenvolvida a partir de quatro etapas metodológicas: Contextualização, Identificação e Mapeamento, Classificação e Análises das praças. A Grande Ibes apresenta uma distribuição irregular dos espaços livres para práticas sociais. Dos 21 bairros que compõem a Regional, 6 (seis) deles possuem ausência total de praças. Entretanto, as praças existentes atendem cerca 56% da população residente na área de estudo (considerando um raio de 300 metros) e 89% da população (considerando um raio de 500 metros), garantindo acesso e atendendo a grande parte dos moradores. Com relação as análises qualitativas, a maioria das praças possui equipamentos e atrativos relacionados à integração, vivência, saúde e lazer, além de serem em sua maioria limpas e arborizadas. Porém, a falta de manutenção regular é o fator que mais compromete diretamente o uso desses espaços, gerando locais vulneráveis e sem vitalidade. Espera-se com as análises desenvolvidas nesta pesquisa influenciar positivamente nas futuras intervenções a fim de qualificar o espaço urbano.

Palavras-chave


Espaços livres de uso público; Praças; Distribuição socioespacial; Qualidade urbana

Texto completo:

PDF

Referências


ALEX, S. Projeto da Praça: Convívio e Exclusão no Espaço Público. 2a ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo. 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro. ABNT, 2015.

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE (ESRI). ArcGIS. Desktop. Basemap: ESRI, 2016.

GEHL, J. Cidade para pessoas. 2. ed. São Paulo, SP: Perspectiva, 2014.

HEEMANN, Jeniffer; SANTIAGO, Paola Caiuby. Guia do Espaço Público. Para Inspirar e Transformar. Jeniffer Heemann & Paola Caiuby Santiago (Adaptação) 2. ed. São Paulo: Conexão Cultural. Project for Public Spaces 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

INSTITUTO ESTATUAL DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS (IEMA). Ortofoto. Ortofoto Mosaico cedido pelo IEMA. Vitória: 2014.

KELLY, Eric; BECKER, Barbara. Community planning: an introduction to the comprehensive plan. Washington: Island Press, 2000

KLIASS, Rosa Grená. Parques Urbanos de São Paulo. São Paulo: Pini, 1993.

LIRA, P.; LARANJA L.; MAGALHÃES, L. Índice de Bem Estar Urbano - IBEU da Região Metropolitana da Grande Vitória - RMGV: avaliação das condições de vida urbana 1. Vitória. Observatório das Metrópoles. 2013.

MACEDO et al. Os Sistemas de Espaços Livres e a constituição da esfera pública contemporânea no Brasil. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2018.

MATTOS, Rossana Ferreira da Silva. Expansão urbana, segregação e violência: um estudo sobre a região metropolitana da Grande Vitória. Vitória, ES: EDUFES, 2011.

MENDES, Alexandra. Avaliação da disponibilidade e acessibilidade a espaços verdes em quatro áreas urbanas: Lisboa, Porto, Braga e Coimbra. Dissertação de Mestrado. Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto.2017.

MENDONÇA, E. M. S. A importância metropolitana do sistema de espaços livres da região de Vitória – ES –Brasil. In: EURO ELECS 2015, Guimarães, Portugal. Anais EURO ELECS 2015, Guimarães, Portugal. 2015. p. 2075-2084.

PRETO, Maria Helena de Fátima. Sistema de espaços livres públicos: uma contribuição ao planejamento local. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS. Metas de Sustentabilidade para os Municípios Brasileiros (Indicadores e Referências). Rede Nossa São Paulo. Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis. Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. Agosto 2012.

ROBBA, F., MACEDO, S. S. Praças brasileiras (2. ed.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 2003.

SALGUEIRO, Teresa Barata. Segregação e Fragmentação. In: Geografia de Portugal - Sociedade, Paisagens e Cidade. Rio de Mouro: Círculo de Leitores, 2005.

TARDIN, R. Espaços Livres: Sistema e Projeto Territorial. Rio de Janeiro: Editora 7Letras. 2008.

VILA VELHA. Lei nº 4.707 de 10 de setembro de 2008. Institucionalização dos bairros nas Regiões Administrativas, os limites e a denominação dos mesmos e os critérios para organização e criação de bairros, no perímetro urbano do Município. Prefeitura Municipal de Vila Velha-ES, 2008.

VILA VELHA. Lei complementar nº 65, de 09 de novembro de 2018. Institui a revisão decenal da lei municipal nº 4575/2007 que trata do plano diretor municipal no âmbito do município de Vila Velha e dá outras providências. Diário Oficial do Município de Vila Velha. Prefeitura de Vila Velha – ES. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.17271/2318847286120202432

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

ISSN Eletrônico: 2318-8472    Digital Object Identifier (DOI): 10.17271/23188472

Indexações:

                  


Metrics:

 

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.