Estudo Comparativo de Sistemas de Medições de Temperatura Superficial de Pavimentos Urbanos

Luiz Fernando Kowalski, Érico Masiero

Resumo


O processo de urbanização altera o microclima o que pode provocar diferentes condições de conforto térmico nas cidades. No mesmo contexto, a pavimentação viária pode favorecer o surgimento de situações de desconforto humano, devido ao considerável ganho térmico dos materiais mais utilizados. Assim, a medição das propriedades térmicas dos pavimentos se faz importante na avaliação do microclima local e das condições de conforto em estudos urbanos. Portanto, este artigo tem como objetivo analisar a temperatura da superfície coletada por um sistema de termopares e correlacionar os resultados com os dados termográficos, identificando possíveis erros, imprecisões ou limitações dos diferentes métodos. Para isso, foram monitoradas as condições climáticas locais e os dados de variação de temperatura superficial de um pavimento de concreto com os dois métodos. Os resultados demonstram que existe uma correlação entre as duas formas de aquisição de dados e a variação entre os dois métodos de medição pode chegar à 5°C, dependendo do instrumento usado. Finalmente, ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens em estudos urbanos. Enquanto o sistema de termopares se mostra mais eficaz e preciso na medição de pontos específicos, a termografia é ótima alternativa para avaliar áreas mais amplas, embora tenha apresentado menor precisão.

Palavras-chave


Temperatura superficial de pavimentos, termografia, pavimentação urbana.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M. C. T.; DUBREUIL, V.; QUENOL, H.; et. al. Características das ilhas de calor em cidades de porte médio: exemplos de Presidente Prudente (Brasil) e Rennes (França). Confins (online) 7. 2009.

BALARAS, C. A.; ARGIRIOU, A. A. Infrared thermography for building diagnostics. Energy and Buildings 34, p.171-183. 2002.

BARROS, H. R.; LOMBARDO, M. A. A ilha de calor urbana e o uso e cobertura do solo em São Paulo-SP. Geousp – Espaço e Tempo (Online) 20. p. 160-177. 2016.

BARREIRA, E.; FREITAS, V. P. Evaluation of buildings materials using infrared thermography. Construction and Building Materials 21, p.218-224. 2007.

CEPAGRI. Clima dos municípios paulistas. Disponível em: https://www.cpa.unicamp.br/outras-informacoes/clima-dos-municipios-paulistas.html. Acesso em 15 jul. 2018.

COX, E. P. Interação entre clima e superfície urbanizada: o caso da cidade de Várzea Grande/MT. Cuiabá, 2008. 141p. Dissertação (Mestrado em Física e Meio Ambiente) – Departamento de Física, Instituto de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Mato Grosso.

DALLAS. Datasheet - DS18B20 Programmable Resolution 1-Wire Digital Thermometer, 2001. Disponível em: http://www.dalsemi.com Acesso em 27 jul. 2018.

DEBORTOLLI, M. A. Estudo da utilização das células de Peltier com rastreamento de máxima potência para geração de energia elétrica. 2016. 75p. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado). Departamento de Engenharia Elétrica. Centro de Ciências Tecnológicas. Universidade do Estado de Santa Catarina, Joinville, 2016.

FERNANDES, M., E., MASIERO, E. Relação entre conforto térmico urbano e Zonas Climáticas Locais. urbe, Rev. Bras. Gest. Urbana [online]. 2020, vol.12, e20190247. Epub May 15, 2020. ISSN 2175-3369. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190247.

FLUKE. Manual de uso. Certificado de Garantia. Espanha: Fluke corporation, 2013.

GARTLAND, L. Ilhas de Calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo. Oficina de Textos, 2010.

INMET. Estação meteorológica de observação de superfície automática. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=estacoes/estacoesAutomaticas . Acesso em 20 jul. 2018.

KOWALSKI, L. F. Influência do Albedo de Pavimentos no Campo Térmico de Cânions Urbanos: Estudo de Modelo em Escala Reduzida. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Engenharia Urbana. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 124p. 2020.

OCAÑA, S. M.; GUERREO, I. C.; REQUENA, I. G. Thermographic survey of two rural buildings in Spain. Energy and Buildings 36, p.515-523. 2004.

OKE, T. R. Canyon geometry and the nocturnal urban heat island: comparison of scale model and field observations. Journal of climatology 1, p.237-254. 1981.

Masiero, E., Souza, L. C. L. de. Mapping humidity plume over local climate zones in a high-altitude tropical climate city, BraziL. Ambiente Construído. On-line version ISSN 1678-8621. vol.18 no.4 Porto Alegre Oct./Dec. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/s1678-86212018000400300

MARINOSKI, D. L.; DE SOUZA, G. T; SANGOI, J. M.; LAMBERTS, R. Utilização de imagens em infravermelho para análise térmica de componentes construtivos. In: XIII Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, 2010, Canela. Anais do XIII ENTAC. Canela: ANTAC, 2010. p.1-10.

MARTINS, E. G. M. Coeficiente de determinação. Revista Ciência Elementar 6, p.24. 2018.

MONTEIRO, J. R. V.; LEDER, S. M. A aplicação da termografia como ferramenta de investigação térmica no espaço urbano. In: VI Encontro Latino-americano sobre Edificações e Comunidades Sustentáveis, 2011, Vitória. Anais do VI ELECS. Vitória: ANTAC, 2011. p. 01-10.

ROSSI, F. A.; KRÜGER, E. L. Análise da variação de temperaturas locais em função das características de ocupação do solo em Curitiba. RA’E GA 10, p.93-105. 2015.

SEIXAS, G. T. C. Climatologia aplicada à arquitetura: investigação experimental sobre a distribuição de temperaturas internas em duas células de teste. 2015. 126p. Tese (doutorado) – Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.17271/2318847286120202409

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

ISSN Eletrônico: 2318-8472    Digital Object Identifier (DOI): 10.17271/23188472

Indexações:

                  


Metrics:

 

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.